Notícias

"Brasil, 200 anos depois" - Ney Lopes hoje na Tribuna do Norte

Postado às 07h30 | 08 Sep 2021

A eleição geral de 2022 terá o simbolismo de ser o ano do “bicentenário” da nossa independência, o que aumenta a responsabilidade do eleitor, na construção do futuro.

Em 1972, realizaram-se no país homenagens ao “sesquicentenário” da independência (150 anos), quando foram trasladados os restos mortais de D. Pedro I, vindo de Lisboa para o Rio de Janeiro.

Os despojos do Imperador percorreram todas as capitais brasileiras. No RN, tive a honra de presidir a Comissão Estadual do Sesquicentenário.

Um dos eventos foi a Taça da Independência, com a realização no então estádio Castelão, do jogo Portugal e Equador.

O ídolo português Euzébio brilhou na partida ganha pelos portugueses (3 a 0).

Caminhando para os 200 anos de independência indaga-se o que fomos, que país temos hoje e o que queremos para o futuro? O despertar da nossa independência ocorreu quando D. João VI (1822) quis recuar o Reino do Brasil ao anterior status de colônia.

Com grande influência da Argentina e Chile, que haviam conquistado a emancipação política, articulou-se o movimento, que tornou D. Pedro I, o Imperador do Brasil.

As Cortes Extraordinárias da Nação Portuguesa “endureceram”.

O navio português “Três Corações” chegou ao porto do Rio de Janeiro, em 28 de agosto de 1822, trazendo ordens alarmantes, tais como, D. Pedro perdia a condição de regente, os seus ministros seriam nomeados em Portugal e as províncias se reportariam diretamente a Lisboa.

O Brasil voltaria a ser   colônia portuguesa.

Na semana até o 7 de setembro, os dias foram agitados e nervosos no Conselho de Ministros, sob a liderança de D. Leopoldina, que estava no exercício das funções de regência.

No dia 2 de setembro, aconselhada por José Bonifácio, ela assinou o decreto de Independência

 Após a assinatura, enviou uma carta a D. Pedro para que ele proclamasse a Independência do Brasil, o que ocorreu em. 7 de setembro de 1822, às margens do Rio Ipiranga, em São Paulo.

D. Leopoldina foi coroada imperatriz em 1 de dezembro de 1822, na cerimônia de coroação e sagração de D. Pedro I.

Os Estados Unidos são considerados o primeiro país a reconhecer a independência do Brasil., no ano de 1824.

Há estudos apontando, que a Argentina, já em 1823, havia feito esse reconhecimento.

O reconhecimento português só veio em 1825.

O Brasil da independência até a Proclamação da República apresentou crescimento demográfico e pouco investimento em Educação. A agricultura cresceu.

O setor terciário oferecia serviços públicos de bondes, iluminação a gás, bem como água e esgoto. O aumento da população urbana exigiu novos serviços.

Enfrentando crises e influencias externas, a história nacional ao longo do tempo destaca períodos como A República Velha ((1889-1930) a Era Vargas (1930 a 1945 e de 1951 a 1954), o Regime Militar (1964/1979, a Redemocratização e anos 2000 em curso,

Do ponto de vista econômico, o modelo de desenvolvimento implantado no Brasil situa-se em um contexto de crise entre o neoliberalismo e a retomada do pensamento desenvolvimentista, com a preocupação da redução das desigualdades sociais.

O ideário neoliberal ortodoxo apresenta sinais claros de esgotamento com altas taxas de desemprego, ampliação das desigualdades, concentração de renda, baixos índices de crescimento econômico.

A construção de alternativas exige repensar as relações entre o mercado, o Estado e as diferentes organizações da sociedade civil.

O que virá com os 200 anos da independência, sobretudo diante dos desafios do período, após pandemia?

 Como defende Mariana Mazzucato, professora de Economia da Inovação na University College London, espera-se “que a crise desencadeada pela pandemia de covid-19 seja uma oportunidade de "fazer um capitalismo diferente", destacada a importância dos investimentos do Estado nos processos de inovação, considerando que na economia, "o valor não é apenas o preço".

Apesar da tragédia humanitária que vivemos, há motivo para ser otimista.

Salve o bicentenário da nossa independência!

 

 

 

Deixe sua Opinião