Notícias

Fiocruz deu uma lição de Justiça aos ministros do Supremo

Postado às 08h33 | 27 Dec 2020

Elio Gaspari

O STF queria 7.000 doses e a centenária instituição respondeu aos doutores que não lhe cabe atender a qualquer demanda específica por vacinas

A Fiocruz deu uma lição de Justiça aos ministros do Supremo Tribunal Federal e ao Superior Tribunal de Justiça (o da Cidadania). Ambos pediram reservas de vacinas para seus doutores, funcionários e colaboradores. O STF queria 7.000 doses só para ele e para a turma do Conselho Nacional de Justiça.

O pedido foi feito sem que os ministros dos dois tribunais fossem consultados. Promotores do Ministério Público de São Paulo haviam tentado o mesmo golpe há algumas semanas.

A centenária instituição de defesa da saúde pública nacional respondeu aos doutores informando que não lhe cabe “atender a qualquer demanda específica por vacinas”.

Foram educados. O historiador Capistrano de Abreu, num lance indelicado e agressivo, defendeu uma revisão constitucional, pela qual a Carta teria apenas dois artigos:
“Artigo 1º - Todo brasileiro deve ter vergonha na cara. Artigo 2º - Revogam-se as disposições em contrário”.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), se desculpou por ter viajado para Miami, nos Estados Unidos, após ter colocado o estado na fase vermelha do Plano SP, a mais restritiva, que só permite o funcionamento de atividades essenciais - Reprodução @jdoriajr no Twitter

PRECISA-SE DE PADRINHO

Quatro instituições de medicina privada, entre as quais duas guildas e duas operadoras, estão pedindo ao governador de São Paulo, João Doria, que lhes dê um mimo tributário, restabelecendo a isenção de ICMS que as beneficiava.

Durante a pandemia, São Paulo perdeu cerca de 10% da arrecadação desse imposto, noves fora 45 mil mortos. Já as operadoras de planos de saúde tentaram enfiar um aumento selvagem na clientela e recusaram-se a pagar pelos testes do coronavírus.

Entre janeiro e setembro deste ano, uma só operadora lucrou US$ 13,2 bilhões, 30% acima do que conseguiu no mesmo período do ano anterior.

Os doutores fazem um apelo a Doria em nome da “vida”. A vida deles, em busca de um padrinho.

 

Deixe sua Opinião