Notícias

Nobel de Economia de 2021 vai para David Card, Joshua D. Angrist e Guido W. Imbens

Postado às 09h21 | 11 Oct 2021

Prêmio Nobel de Economia de 2021 foi atribuído, nesta segunda-feira, 11, a David Card, Josgua D. Angrist e Guido W. Imbens. Os vencedores receberam a doma de 10 milhões de coroas suecas, o equivalente a US$ 1,14 milhão.

"Os laureados de ciências econômicas deste ano demonstraram que muitas das grandes questões da sociedade podem ser respondidas. A solução deles é usar experimentos naturais – situações que surgem na vida real que se assemelham a experimentos aleatórios. Eles nos forneceram novas percepções sobre o mercado de trabalho e mostraram o que conclusões sobre causa e efeito podem ser tiradas de experimentos naturais. A abordagem deles se espalhou para outros campos e revolucionou a pesquisa empírica", anunciou a academia.

O canadense David Card (Universidade da Califórnia), que ganhou metade do prêmio, analisou os efeitos do salário mínimo, da imigração e da educação no mercado de trabalho. As pesquisas de Card iniciaram na década de 1990 e mostraram que o aumento do salário mínimo não necessariamente diminui a oferta de empregos; que a renda de pessoas nascidas em outros países pode melhorar com a imigração, enquanto pessoas que imigraram mais novas correm o risco de serem afetadas negativamente. Além disso, descobriu-se que os recursos nas escolas são muito mais importantes para o sucesso profissional dos alunos do que se imaginava.

Já os americanos Joshua Angrist (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) e Guido Imbens (Universidade de Stanford), que juntos receberam a outra metade do título, mostraram quais conclusões sobre causa e efeito podem ser tiradas de experimentos naturais. A estrutura desenvolvida por eles tem sido amplamente adotada por pesquisadores que trabalham com dados observacionais.

"Dados de experimentos naturais são difíceis de interpretar", disse a academia. "Por exemplo, ampliar em um ano a educação compulsória para um grupo de estudantes, mas não para outro grupo, não vai afetar a todos da mesma maneira. Alguns estudantes continuariam seus estudos de qualquer maneira e, para eles, o valor da educação não é o que representa o grupo geral. Sendo assim, é possível tirar conclusões sobre o ano adicional na escola? Em meados da década de 1990, Angrist e Guido resolveram esse problema metodológico, mostrando como conclusões precisas sobre causa efeito pode ser extraído de experimentos naturais."

Deixe sua Opinião