Notícias

Opinião: "Fato lamentável no dia da Padroeira"

Postado às 06h32 | 13 Oct 2021

Ney Lopes

No dia da padroeira do Brasil e quando é concedido o Prêmio Nobel da Paz a defensores da imprensa livre, ocorreu episódio lamentável dentro do recinto do Santuário Nacional de Aparecida.

O repórter Leandro Matozo, da Globo News, foi agredido por um apoiador do presidente Bolsonaro, quando fazia a cobertura da passagem do chefe do Executivo pelo local.

Enlouquecido, como é característica dos alucinados seguidores de seitas políticas, o tresloucado agressor gratuitamente, dirigiu-se ao jornalista dentro da Igreja e aos gritos exclamou: “se eu pudesse matava vocês”.

Em seguida, agrediu o repórter no rosto o que provocou um sangramento no nariz.

Para quem tenha bom senso e deseje realmente uma democracia para o país, o episódio é emblematicamente lamentável.

O clima de radicalismo e antagonismo político cresce no país.

Nem o ambiente solene de uma Basílica, evita que fanáticos pratiquem atos de vandalismo, em nome de preferências políticas pessoais.

Não se trata de condenar ou responsabilizar o presidente Bolsonaro, por fatos dessa natureza.

Mas tais situações se repetem: o prédio do STF já foi ameaçado de depredação: ministros e parlamentares sofrem ameaças de morte; protestos ocorreram diante, diante um quartel do Exército em Brasília, com a presença do presidente, onde manifestantes pediram intervenção militar, fechamento do Congresso e do STF.

Nesse clima de insegurança política, caminha-se para a eleição geral de 2022, com dois candidatos acomodados e sentindo-se confortáveis com a radicalização que cresce.

São eles Bolsonaro e Lula.

Ambos se nutrem da radicalização desenfreada.

Nada apresentam de nova propostas.

Vivem de realimentar o passado, sem projetar o futuro.

A palavra “corrupção” é enganosamente manipulada nas declarações, como se praticá-la não fosse crime e evita-la não fosse dever do homem público e não virtude.

Somam-se às dificuldades do momento nacional, a catástrofe da pandemia, deixando rastros de destruição e exigindo no futuro, quem seja capaz e tenha equilíbrio emocional para liderar a tarefa de reconstrução nacional.

Essa reconstrução somente será possível, com a pacificação política do país, onde todos sentem a mesa e contribuam com convergências que favoreçam a nação.

Após a oportuna intervenção do ex-presidente Temer junto ao presidente Bolsonaro, em nome de uma trégua política, o quadro tem melhorado indiscutivelmente.

Todavia, não dá segurança de estabilidade.

O ocorrido no Santuário de Aparecida é o sinal do abalo da liberdade de imprensa. E sem essa liberdade não há democracia.

Se ocorrem excessos, a lei prevê sanções.

O que não pode é o fanatismo político, daqueles que desejem defender o  presidente da República, chegar ao extremo de ameaçar de morte os profissionais da comunicação.

Para demonstrar efetivamente que não está comprometido com os seus aliados ensandecidos, o presidente Bolsonaro terá que dar uma declaração condenando o acontecido.

Se não fizer, no mínimo demonstrará omissão, diante dos riscos futuros que poderão enlamear e destruir a imagem do país perante o mundo.

 

 

Deixe sua Opinião