Notícias

“Quero radicalizar com propostas e ser advogado do RN”, afirma Ney Lopes no jornal AGORA RN

Postado às 09h19 | 12 May 2022

Ney: “Tenho serviços prestados e acredito no voto livre. Chegarei a todos os conterrâneos pelos recursos da mídia social e o boca a boca”. Foto: José Aldenir

Pré-candidato ao Senado, ex-deputado federal quer a volta do crédito educativo que beneficiava universitários carentes

Alessandra Bernardo

“Minha campanha será radical, não contra pessoas ou adversários, mas em propostas que melhorem a vida do RN e do Brasil”, afirmou o pré-candidato ao Senado Ney Lopes (PMB), em entrevista exclusiva ao AGORA RN.

Advogado, jornalista, procurador federal, ex-deputado federal por seis mandatos e ex-presidente do Parlamento Latino-Americano, ele falou sobre suas propostas e prioridades e como pretende levar sua campanha eleitoral, sem recursos do Fundo Eleitoral e horário de TV mínimo.

AGORA RN – O que o levou a se decidir a ser pré-candidato a senador pelo RN?

NEY LOPES – Desejo voltar a ser o “advogado do RN” no Congresso Nacional, resgatando o trabalho permanente do parlamentar que fui, sempre na lista dos cem melhores deputados do país, em escolha do PT, através do órgão sindical DIAP.

Diante da minha longa experiência – seis mandatos de deputado federal -, achei que não devia me omitir, quando o Estado e o país atravessam seríssima crise sanitária, econômica e política.

Estou concorrendo pelo Partido da Mulher Brasileira (PMB), que não dispõe de recursos do Fundo Eleitoral.

É um grupo de idealistas, de centro, que pretende impulsionar a política nacional, de forma a valorizar mulheres e homens, visando alcançar o desenvolvimento sem caráter excludente e discriminatório de quem quer que seja.

AGORA RN – Como o senhor analisa os pré-candidatos ao Senado apresentados, até agora?

NEY LOPES – Com profundo respeito.

Todos têm postulações legítimas.

Caberá ao eleitor analisar e escolher.

Pessoalmente, submeto a minha vida pública a julgamento, prestando contas do que já fiz e anunciando o que posso fazer.

Graças a Deus, gozo de saúde para esse trabalho.

Ganhar ou perder será normal.

Peço a Deus que só me favoreça, se for para exercer um mandato livremente, sem amarras políticas, sendo fiel a quem acreditar em mim.

AGORA RN – O Brasil 35 tem candidato a presidente e a governador do RN?

NEY LOPES – Na disputa pela presidência da República, o partido, até o momento, deixa o eleitor livre.

Para o governo do Estado, o partido apoia Clorisa Linhares, com militância política, empresária, formada em Direito e Ciências Sociais.

É uma candidata competente, que debate o futuro do RN, com humildade e firmeza.

Quem conhecê-la acreditará nela.

AGORA RN – Em um partido pequeno, sem dinheiro e horário de TV mínimo, como o senhor fará sua campanha eleitoral?

NEY LOPES – Com força de vontade e idealismo. A cabeça do eleitor mudou muito.

Em eleições majoritárias, valem pouco as estruturas partidárias milionárias de marketing e apoios políticos.

Pessoalmente, sou conhecido no RN, por ter sido sempre votado em todos os municípios.

Tenho serviços prestados e acredito no voto livre do povo.

Chegarei a todos os conterrâneos pelos recursos da mídia social e o “boca a boca”.

Irei onde for possível.

AGORA RN – Como será sua campanha?

NEY LOPES – A minha campanha será radical, porém, não contra pessoas, ou adversários, mas em relação às propostas que melhorem a vida do RN e do Brasil.

O eleitor quer ouvir alternativas para enfrentar os imensos problemas após a pandemia.

Radicalizarei nesse debate de propostas, sugerindo desde já que os meus concorrentes aceitem a promoção de “debate públicos” durante a campanha, em regiões do Estado, para o eleitor conhecer melhor a todos.

Entidades idôneas, senão a própria justiça eleitoral, poderão coordenar esses debates.

AGORA RN – Quais suas propostas para os potiguares?

NEY LOPES – Preocupam-me as dificuldades hoje enfrentadas pelos mais pobres, decorrentes da desigualdade social; da classe média, inclusive pequenos e médios empreendedores, sufocados pela redução progressiva da renda e certas injustiças no sistema de previdência social, um dever do Estado, que precisa sempre proteger quem dele necessita para sobreviver.

Na Reforma da Previdência, é necessário mudar, para somente aplicar as mudanças que prejudicaram direitos dos segurados para aqueles que vierem futuramente ingressar no sistema.

Os atuais têm história e planejamento de vida e não podem sofrer sobressaltos.

Países europeus fizeram assim.

Quanto a recursos para suprir o déficit previdenciário, existem muitos, a começar pela taxação de lucros e dividendos.

O Brasil é único no mundo que não taxa.

Recentemente, a Petrobrás distribuiu R$ 40 bilhões de dividendos e ninguém pagou Imposto de Renda.

Sempre defendi que a modernização da CLT deveria seguir a OIT (Organização Internacional do Trabalho), cuja orientação é promover a liberdade sindical, através da negociação coletiva.

O trabalhador é livre para aceitar ou não negociar.

Os sindicatos de trabalhadores mais fracos poderão ter assistência das Centrais, ou dos maiores para evitar injustiças na negociação.

AGORA RN – Que temas englobam suas principais propostas?

NEY LOPES – Em 1975, propus a criação do crédito educativo, que vigorou 11 anos.

Os governos substituíram pelo Fies, que nada tem a ver com meu projeto. Lutarei pela volta dele.

Naquela época, o estudante de universidade pública era financiado em até três salários-mínimos, para o seu sustento, compra de livros, lazer, habitação, alimentação etc., sem prejuízo para financiar anuidades de instituições particulares.

Reapresentarei a proposta de criação no Grande Natal, ao lado do aeroporto de São Gonçalo do Amarante, uma área de livre comércio (polo exportador e turístico), que pode gerar, a médio prazo, até 50 mil empregos diretos e indiretos.

Estamos no local ideal nas Américas, por ser geograficamente mais próximos da África, Europa, EUA e Canal do Panamá.

Deu certo no mundo todo e não pode dar errado no RN.

Também renovarei a proposta de regulamentação do art. 43 da Constituição para garantir a agroindústria nordestina – juros favorecidos, isenções, reduções ou diferimento temporário de tributos federais, prioridade para o aproveitamento econômico e social dos rios e das massas de água represadas ou represáveis nas regiões de baixa renda, sujeitas a secas periódicas.

Fiz esse projeto de  lei quando deputado, aprovado em três Comissões.

Saí da Câmara e tudo foi arquivado.

Por fim, terei compromisso com a defesa intransigente do Estado Democrático de Direito, na preservação da liberdade da pessoa física; de pensamento, opinião, religião, informação, artística, comunicação do conhecimento; expressão coletiva em suas várias formas de reunião e associação; ação profissional e liberdade econômica.

 

 

Deixe sua Opinião